Este espaço é para si! Envie-nos a sua notícia: mscmail.fotorali@gmail.com

segunda-feira, 13 de abril de 2015

RALLICROSS DE LOUSADA: DOMINGO EM CHEIO

Melhor não era impossível, mas ia ser muito difícil. Imagine que junta um belo Domingo de sol, com corridas espectaculares e boas condições para os espectadores; o resultado uma multidão que só não encheu o espaço de pião da pista da Costilha, porque está preparado para receber umas 20 mil pessoas, já à espera do Rali de Portugal.
Com seis dezenas de pilotos a darem o sim à organização do Clube Automóvel de Lousada e após o nível das corridas do fim-de-semana, só se pode esperar o melhor para esta época.

SEGUNDA CORRIDA

Super Buggys
O programa abriu com monolugares e logo na serie A Luís Santos (Toniauto) colocou-se na frente e venceu. Jorge Fonseca (Atmos) foi o segundo, depois de uma prova muito disputada, em que Alberto Costa (Atmos) estava igualmente apostado em andar na frente.
A serie B pareceu tirada a papel químico, mas com difentes personagens. António Santos (Toniauto) foi primeiro, seguido por Miguel Ferreira (Luna SPort) e Manuel Gerreiro (Atmos), respectivamente.

Kartcross
Os kartcross abriram o programa das festas, com uma serie A dominada por Pedro Rosário (Semog Bravo). José Pereira (AG 600 Honda) foi a principal concorrência, terminando a seis décimas do vencedor.
Luís Almeida (Semog Bravo) andou na luta pelas posições da frente, mas perdeu definitivamente o contacto, na sequência de um erro de percurso (!), ao entrar por uma variante diferente, no gancho de acesso à recta da meta. Paulo Ferreira ficou o caminho aberto para ser terceiro.
Na serie B voltamos a assistir a uma corrida muito disputada com Luís Oliveira (Semog 600)a partir na frente, pressionado q.b. por José Mota (Semog 600) e Nuno Bastos (ASK Evo 2011).

Iniciação
Francisco Silva (Citren AX Gti) soma e segue no Troféu Ernesnto Gonçalves. Partiu na frente e graças à luta pelo segundo posto, protagonizada por Santinho Mendes (Peugeot e Leandro Macedo (VW Polo) , conseguiu ganhar a vantagem que lhe deu mais uma vitória com alguma folga.
O segundo posto foi discutido até ao final e Leandro Macedo levou a melhor sobre Santinho Mendes. José Sousa (Toyota Starlet) acabou a corrida mais cedo, com um toque no gancho.

Super Nacional
Sérgio Nunes e José Sousa, discutiram a corrida tipo troféu “monomarca” Peugeot 306. Incerteza até ao baixar da bandeira, num prova em que José Nunes acabou por levar a melhor.
Tiago Seguro foi terceiro, em Peugeot 306, na serie A
A serie B foi dominada por Paulo Martins (BMW E30), que viu  João Olivieira (Peugeot 206) a chegar-se à traseira nas primeiras voltas e após a jocker lap a passar para frente, com à vontade. Mas com o homem do Peugeot a ter que cumprir, por sua vez, a jocker lap, o BMW regressou ao comando. Paulo Martins (Opel Astra) foi terceiro.

Super 1600
Inicio de prova atribulado, com o espanhol Gerardo Pulido (Ford Fiesta) a optar pela jocker lap, mas a acertar de frente no separador. Corrida interrompida.
Retomada a prova com todos “à molhada”, mas ninguém fica pelo caminho. Bruno Gonçalves (Citroen Saxo) vai-se mantendo na frente, com Helder Ribeiro (Citroen C2), tipo autocolante no parachoques do saxo. Entretanto Pedro Almeida (Peugeot 206) chega-se ao C2 e Helder Ribeiro tem que se defender, deixando de pressionar tanto o comandante. O pódio estava definido.
De realçar que Bruno Gonçalves faz aqui a estreia ao volante. Passou do banco da direita, onde navegava o seu cunhado Mário Barbosa, directo para o banco da esquerda de um carro já com historial registado. O cero é que esta é uma estreia em grande.

Super Cars
Mário Barbosa (Citroen DS3) chega à primeira curva com uma muito ligeira vantagem sobre Joaquim Santos (Ford Focus). Ninguém levanta o pé, o homem do Citroen fica por fora na saída e o toque entre ambos é inevitável. Barbosa não evita o pião, Santos segue para uma vitória quase certa, até que um pião o atirou para segundo.
Dany Moreau (Renault Clio) ficou com o caminho aberto para a vitória. Ana Matos (Peugeot 206 WRC) foi terceira atrás do homem da Bompiso, Joaquim Santos.

TERCEIRA CORRIDA

Super Buggys
António Santos (Toniauto TNTT) dominou e no início até ganhou vantagem, mas um meio pião antes da recta da meta, fez com que passasse de novo a ser foi muito pressionado por Ludgero Santos, em carro idêntico, que acabou por vencer. Jorge Fonseca (Atmos) foi terceiro.
Na serie B, Luís Santos (Toniauto TNTT) venceu, seguido por Miguel Ferreira (Luna Sport) e Manuel Gerreiro (Atmos Strong).
Feitas as contas finais das qualificações, Luís Santos vai poder escolher o local da pole-position, pois é quem detém a melhor pontuação, seguido por António Santos.

Kartcross
Pedro Rosário (Semog) somou e seguiu na serie A da terceira corrida, sendo seguido por José Mota (Semog), o trio da frente foi concluído por Luís Oliveira, também ele em… isso mesmo: Semog
Na serie B, José Pereira (AG 600 honda), dominou de fio a pavio, seguido de perto por Paulo Ferreira (Semog) e Feliz Somohano (Camotos). Nas contas finais foi Pedro Rosário quem atingiu a melhor pontuação, partindo nas finais à frente de José Pereira.

Iniciação
Mais uma corrida com um ritmo diabólico por parte de Francisco Silva (Citroen AX GTi), que agora tem em Eduardo Rodrigues Toyota Starlet), um piloto com tradições familiares nomeadamente nos camiões, um osso duro de roer, que entretanto perde ligeiramente num dobragem e passa ele a ser atacado por Santinho Mendes (Peugeot 106); isso mesmo, o nome não engana, neto, filho e sobrinho de campeões.
Esta última corrida de qualificação foi imprópria para cardíacos. Quase sobre a meta, Eduardo Rodrigues troca de posição com Francisco Silva e Mendes perde para Leandro Macedo (VW Polo).
A pole é naturalmente para Francisco Silva, na final, seguido de Eduardo Rodrigues.

Super Nacional
Sérgio Nunes (Peugeot 306) venceu folgado a serie A, tendo Paulo Martins (Opel Astra) e José Sousa (Peugeot 306), sido classificados nas posições seguintes, respectivamente.
Paulo Sousa (BMW E30) mantém o estilo das corridas anteriores e continua a ganhar, agora na serie B. João Oliveira (Peugeot 206) é um segundo, com calma, sem pressão. O terceiro, Ademar Pereira (Renault Clio) vem lá mais trás. Paulo Sousa é que detém a melhor pontuação após as corridas de qualificação.

Super 1600
Mais uma corrida muito disputada, com Pedro Almeida (Peugeot 206) a levar a melhor sobre Bruno Gonçalves (Citroen Saxo Kit Car) sobre a bandeirada de xadrês. Tiago Alexandre (Peugeot 306) foi o mais atento espectador desta luta sem quartel.
Na tabela de pontuações da categoria, Bruno Gonçalves é naturalmente o pole-position, seguido de Pedro Almeida

Super Cars
Corrida calma, com Mário Barbosa (Citroen DS3) a comandar, com vantagem sobre Joaquim Santos (Ford focus), que mantém um andamento “calmo” e faz contas para a classificação para a final. Danny Moreau foi terceiro.
Mário Barbosa vai partir da pole-position, empatado em pontos com Joaquim Santos.

FINAIS

Super Buggys
António Santos (Toniauto TNTT) surpreendeu Luis Santos (Toniauto TNTT) na partida e saiu na frente logo após a curva um. Volvidas duas voltas as posições invertiam-se e Ludgero Santos (Toniauto TNTT) aproveita para se chagar um pouco mais à frente e eventualmente beneficiar de um erro dos homens da frente. Ora, como tal não aconteceu foi terceiro no pódio.
Luta interessante também para as posições seguintes, com Jorge Fonseca (Atmos Sport) e Manuel Guerreiro (Strong) a lutarem por um quarto lugar que saiu ao primeiro dos dois. 

Kartcross
Pedro Rosário arrancou melhor do que todos e foi para frente com vontade de escapar à “espécie de VCI em hora de ponta” que deveria ser a primeira curva com 17 kartcross a chegarem mais ou menos ao mesmo tempo, aquele local. Passaram todos, mas era sol de pouca dura. Após a curva dois, José Pinheiro (Semog Bravo) e Nelson Rocha (Semog 600)  tocaram rodas e acabaram com os veículos completamente engatados, o que motivou uma bandeira vermelha.
Retomada a prova e Pedro Rosário (Semog Bravo ER) repete a graça: vai para a frente e ganha alguma vantagem. Nas voltas sucessivas encarrega-se a dilatar.  
Nas posições sucessivas, as lutas são constantes, mas as posições definem-se mais ou menos a meio da prova. Luís Oliveira (Semog 600), José Mota (Semog Bravo), José Pereira (AG 600 Honda) e Jorge Francisco (Semog Bravo) seguem-se na classificação

Iniciação
Partida menos feliz para Eduardo Rodrigues(Toyota Starlet) que baixou para terceiro. Quem levou a melhor neste tema foi o estreante Francisco Silva (Citroen AX GTI) seguido de perto por Leandro Macedo (VW Polo).
Com a prova a chegar ao fim, o piloto do Polo ganha algum tempo ao líder, que entretanto apanha alguns concorrentes mais lentos. Na passagem pela jocker lap Francisco perde a primeira posição e Leandro segue para a vitória.
Pedro Pereira (Renault Clio) e Andreia Sousa (Toyota Starlet) são quarto e quinta classificados.
Recorde-se que o Troféu de Iniciação Ernesto Gonçalves é disputado com automóveis de cilindradas até 1.400 e apenas podem participar pilotos com idades compreendidas entre os 13 e os 18 anos.

Super Nacional
Sérgio Nunes (Peugeot 306) partiu bem, e na curva um contrariou os esforços de Paulo Sousa (BMW E30) em passar para a frente.
Pouco depois o grupo partia-se, os dois primeiros iam à sua vida e a terceira posição passa a ser discutida por João Oliveira (Peugeot 206) e José Sousa (Peugeot 306). Entretanto João Oliveira vê o motor a falhar e é Admar Pereira (Renaul Clio) que passa para quarto classificado.
Mas definitivamente este era o dia de Pereira, pois também o azar bate à porta do Peugeot de José Sousa, que é forçado a desistir com problemas mecânicos e o homem do Clio pode subir ao pódio.
Paulo Martins (Opel Astra) é quarto e João Oliveira ainda consegue levar o 206 até à quinta posição. 

Super 1600
Bruno Gonçalves (Citroen Saxo Kit Car) voltou a não dar hipóteses a ninguém, partiu na frente e por lá foi ficando. A discussão pelo segundo posto era uma espécie de guerra sem quartel, entre Hélder Ribeiro (Citroen C2) e Pedro Almeida (Peugeot 206). Luta rija e limpa, que acaba por inverter as posições e o homem do Peugeot leva a melhor.
Hugo Lopes (Citroen Saxo Kit Car) e Nuno Ralha (Fiat Punto) andam na guerra pelo quarto posto, mas é Lopes quem leva o melhor pedaço.

Super Cars
Mário Barbosa, ao volante do Citroen DS3, o tal carro que foi conduzido por Sebatien Loeb, no ano passado, arrancou na frente. Joaquim Santos (Ford Focus) não facilitou a vida ao homem da frente, mas na curva dois perdia umas décimas preciosas e cedia algum tempo para o adversário. A prova estava quase decidida.
Restava saber quem seria o terceiro, mas o francês Dany Morreau (Renault Clio) levava a melhor sobre Ana Matos (Peugeot 206 WRC).

CLASSIFICAÇÕES COMPLETAS

Sem comentários:

Enviar um comentário